Talvez seja por isso que a palavra “bicicleta” foi a mais pesquisada no OLX durante o período de confinamento. Sabias?

De acordo com o novo estudo OLX é facilmente verificável que durante o período de confinamento, a procura por bicicletas na nossa plataforma disparou, tendo crescido 93%, precisamente entre abril e maio. Lisboa (15%), Porto (10%) e Setúbal destacam-se como as regiões onde existiu maior procura.

Mas foram muitas as pessoas que também viram como oportunidade a venda deste tipo de equipamentos, com a oferta a crescer significativamente. Maio foi o mês que registou mais novos anúncios, 14,091, mais 43% face ao mês anterior. E se a procura e a oferta aumentaram também o preço médio por bicicletas e acessórios cresceu 29% entre janeiro (107€) e maio (138€) deste ano.

Mas será que a moda das bicicletas veio para ficar? Tudo indica que sim, as vantagens são muitas e o próprio Governo já anunciou a implementação de mais de 50 medidas ao longo da próxima década, no âmbito da promoção do uso da bicicleta e investimento na construção de ciclovias.

As melhores ciclovias – de norte a sul de Portugal

Existem atualmente cerca de dois mil quilómetros construídos de ciclovia no país, sendo o objetivo atingir os 10 mil em 2030. Por isso não tens desculpa, pega na tua  bicicleta, na garrafa de água e na máquina fotográfica e parte à descoberta de Portugal. Junta um ou dois amigos para te acompanharem nesta aventura e aproveita ao máximo as paisagens maravilhosas que temos, sejam elas urbanas ou rurais.

Estas são algumas das ciclovias que não podes perder.

  • Pista de cicloturismo de Guimarães-Fafe: Com 15km quase sempre planos, o percurso é rural com as paisagens características do norte de Portugal como pano de fundo.
  • Ecopista do Sabor – Percurso de Torre de Moncorvo: Com vistas deslumbrantes sobre o Rio Douro acompanhado do verde da natureza, a paz e tranquilidade serão uma constante.
  • Ciclovia de Mira: Com cerca de 10km, permite um agradável percurso entre zona florestal, com lagoas, ribeiras, floresta e dunas. Uma verdadeira diversidade do meio envolvente.
  • Ciclovia de Lisboa: Em Lisboa tens muitas opções desde o ar puro de Monsanto e o silêncio dos passarinhos ou a movimentada zona ribeirinha do Cais do Sodré-Algés com o Tejo como melhor amigo. Ao longo da zona ribeirinha encontrarás aproximadamente 20kms de ciclovias em terreno plano, do centro de Lisboa em direção a Leste até ao Parque das Nações, e em direção a Oeste até a área de Belém.
  • Ciclovia de Cascais: Com mais de 16km de extensão, a mais conhecida é a ciclovia do Guincho, perfeita para os amantes do mar, praia e arribas. Ao longo do caminho os pontos de interesse passam pela Boca do Inferno, Farol de Santa Marta e para um lanche ao final da tarde a Casa da Guia.  
  • Rota Vicentina: Uma das mais famosas rotas no nosso país. Uma combinação entre aventura, natureza e o mundo rural ao longo de mais de 1000km de trilhos cicláveis. Difícil será não parar para tirar fotografias.
  • Ecopista do Ramal de Moura – Évora: Inserida numa antiga estação ferroviária desativada desde 1990, foi transformada pela autarquia numa ecopista. O percurso com nove quilómetros envolve-se numa extensão rural com o vislumbre da planície alentejana.

Agora o que nunca te podes esquecer, é da tua segurança e da dos outros. Toma sempre todas as medidas de prevenção e estuda bem o código da estrada para os ciclistas. Sabias que existe?

Deixamos-te algumas regras do código da estrada para os ciclistas:

  • Documentação: Deves sempre ser portador de um documento legal de identificação pessoal.
  • Iluminação: Principalmente ao circular de noite, recomendam-se roupas refletoras para o condutor e a bicicleta tem de estar equipada com iluminação à frente e atrás.
  • Equipamento: Em Portugal, o uso de capacetes não é obrigatório, no entanto é bastante aconselhado, tal como óculos de ciclismo e luvas.
  • Circulação: Sempre que possível optar pela utilização das ciclovias, no entanto, e sempre que não for possível, tens de cumprir as regras de trânsito e circular à direita, respeitando as vias, sinais de trânsito e sinalização.
  • Proibido a condução sobre o efeito de álcool. Esta é sobejamente conhecida.
  • Não andar em contramão. Em termos de circulação rodoviária, deves respeitar as regras do Código da Estrada, o que pressupõe não circular em contramão.
  • Passeios. Não andes em passeios, já que esse é o espaço para os peões. Se precisares de atravessar um passeio, desmonta-te da bicicleta e leva-a á mão. A lei permite que as crianças até aos 10 anos circulem de bicicleta nos passeios, desde que não ponham em perigo ou perturbem os outros peões. É proibido ainda estacionar as bicicletas, em cima dos passeios e noutros locais destinados à circulação de peões.
  • Sinalizar as manobras. Sempre que iniciais a marcha ou tencionas mudar de direção, toma todas as precauções e sinaliza atempadamente as tuas manobras (sinais de mão).

Como sinalizar as manobras?

  • Parar: Estender horizontalmente o braço esquerdo com a palma da mão voltada para trás.
  • Abrandar: Estender horizontalmente o braço esquerdo com a palma da mão voltada para o solo e oscilar, repetidas vezes, para cima e para baixo.
  • Virar à direita: Estender horizontalmente o braço direito com a palma da mão voltada para frente.
  • Virar à esquerda: Estender horizontalmente o braço esquerdo com a palma da mão voltada para frente.

Por todas estas razões se ainda não tens uma bicicleta ou não lhe tens dado muito uso está na altura de pensares no assunto. Sozinho ou em grupo, com amigos ou família, é uma excelente forma de mobilidade, mais económica, ecológica e que ainda te ajuda a manter a boa forma física.

Só no mês de junho foram publicados 13.586 anúncios de bicicletas no OLX, certamente que a existe uma à tua espera. A variedade é muita, mas como saber qual é a certa? O primeiro ponto, e mais importante, é entender qual a finalidade e o propósito da sua utilização.

Os 6 principais tipos de bicicletas:

  • “Clássica” : É o modelo mais comum e habitual de se ver. Perfeito para passeios ao fim de semana, idas para o trabalho ou para quem procura fazer exercício físico, ou seja, para pequenas ou médias distâncias. Assim, deves optar por uma bicicleta com rodas maiores, pneus mais grossos e texturados para preencher os buracos e más condições das vias, o guiador deve ser mais alto de forma a manter uma posição reta e confortável. Não é necessário apostar em modelos com muitas mudanças, porque na realidade vais prescindir das mesmas. O fundamental é estares confortável e seguro e este é o ponto forte destes modelos. Um conselho? Aposta em cadeados para que fique estacionada com toda segurança e os cestos serão sempre uma mais valia para levar os teus pertences pessoais.
  • Dobrável”: Se andas de um lado para o outro da cidade e não dispensas da companhia da tua bicicleta, este poderá ser o mais adequado. As características são bastante idênticas da “clássica”, tendo a mais valia de ser facilmente transportada e arrumada. Dica: a viagem em transportes públicos será muito mais fácil e cómoda, e os outros utentes também te vão agradecer.
  • BTT: A rainha dos desportos mais radicais. Existem vários pontos a considerar para esta modalidade. A moda também passa pelas rodas, se antes os praticantes deste deporto preferiam rodas de 27, hoje em dia a história é outra e as mais cobiçadas são as de 29. O quadro é também muito importante, se é de carbono ou de alumínio uma vez que tem influência no peso e nas vibrações. À primeira vista, este modelo é mais robusto e “pesado”, neste caso os travões e a suspensão devem ser dos melhores materiais e é aconselhado a que sejam revistos todos os anos por forma a não perder segurança e eficácia.
  • Estrada/Performance: Se já és um pró, e fazes da bicicleta a tua companheira de competições então os pneus ultrafinos, os guiões em formato “drop” e a leveza dos materiais serão uma mais valia, que aumentará a impulsão e aceleração. Por serem mais leves, resistentes, confortáveis e rápidas exigem normalmente um maior investimento financeiro.
  • Crianças”: A idade e a altura são determinantes, de modo a torna-la mais robusta e segura possível. Nunca primeira fase, as “rodinhas” devem estar presentes, mas também podes optar por bicicletas sem pedais, ideais para que ao mais pequenos ganhem rapidamente o equilíbrio necessário para manobrarem este tipo de equipamento. Aqui as cores e bonecos ganham vida e alegram a vida dos mais novos.
  • Elétricas”: A consciência ambiental é cada vez mais importante na nossa sociedade. Para os mais preocupados com o ambiente, e se os percursos que realizas assim o permitam, então esta opção pode ser a mais viável. Ora vejamos, pedalar requer um grande esforço físico, no entanto se este esforço puder ser compensado por um motor ainda melhor. Aquela colina que tens de subir para chegar ao trabalho, vai deixar de ser um pesadelo! É importante atender que quanto maior o número de volts, maior será a potencia do motor, que na maioria está nos 250W. Tem atenção que o limite de velocidade está limitado a 25Km hora e o uso de capacete é obrigatório. Pontos negativos: é uma opção mais cara e é necessário o recarregamento que é, habitualmente, medido por horas de utilização.

Pensa bem qual será o melhor modelo de bicicleta para ti. Se já tens uma e achas que precisa de um upgrade, “despacha-a”, certamente será ótima para outra pessoa e tu podes sempre rentabilizar, adquirindo uma que te encha verdadeiramente as medidas. Se ainda não tens, está na hora de dar ao pedal e arriscares. Lembra-te a moda das bicicletas veio para ficar.


Próximas leituras:

5 dicas para acabar com a humidade em casa
O inverno traz consigo o frio e a humidade. Se também sofres …
Dá uma segunda vida às rolhas de cortiças que tens em casa
Pronto para um novo projeto DIY? Mostramos-te 10 formas criativas para reaproveitares …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *