Os pneus são muito mais do que um bocado de borracha a fazer o carro rolar pelo asfalto ou por qualquer trilho. São, na verdade, um dos mais relevantes componentes de um automóvel por vários motivos, a começar pelo facto de serem o único ponto de contacto do veículo com o solo.

Além disso, as características dos pneus, assim como o seu estado (bom ou mau), podem influenciar uma série de aspetos, desde os consumos até – muito importante! – a segurança. Os pneus pode fazer a diferença, em determinadas situações, entre ter um acidente muito grave ou um pequeno contratempo.

Por isso, antes de pensares mudar os pneus, trata de os conheceres – é que cada pneu é único e tem a sua identificação extremamente bem marcada: basta leres as suas paredes e conseguires decifrar cada elemento.

Claro que, em termos de medidas, não há muito a saber: se consultares as homologadas e que vêm no Documento Único do Veículo ou no Livrete, não há como te enganares. E é bom que as respeites. Caso decidas arriscar outra qualquer medida, o teu carro pode chumbar numa inspeção periódica. E não só: o atrevimento pode custar-te caro, em forma de coima por as características apresentadas pelo veículo não se adequarem às registadas legalmente.

Compreender as medidas dos pneus… e os outros códigos

A medida do pneu é aquilo que quase toda a gente consegue identificar, ainda que muitas vezes não se saiba muito bem o que significa. Por exemplo, quando no livrete se encontra registada a medida de 205/55 R 15, isto significa que a largura do pneu é de 205 milímetros e que a altura da parede é de 55% face à largura do rasto do pneu, sabendo-se que quanto menor a altura do flanco, melhor a aderência em curva. No entanto, a condução também se torna menos confortável. Já o R indica que a construção interna do pneu é radial, ou seja, que os cabos têxteis da carcaça atravessam o pneu de uma pega (também poderás ouvir a palavra “calcanhar”) à outra, enquanto o 15 é a altura da jante, em polegadas.

Artigo relacionado: Vais trocar de pneus? Escolhe os melhores para o teu carro

Mas as inscrições nas paredes dos pneus não se ficam por aqui. Há mais números que importa descodificar para que se consiga ter o pneu ideal para o teu carro. Por exemplo, logo a seguir ao 205/55 R 15, vais encontrar um número, entre 65 e 124 – este representa a carga máxima, em quilos, que o pneu pode suportar em segurança (se o número indicado for 95, isso quer dizer que cada pneu suporta 690 quilos).

Logo a seguir a estes indicadores, surge um número, de 65 a 124. Este é um índice de carga, ou seja, permite saber quantos quilos cada pneu consegue suportar em segurança – para o fazer, terás de consultar uma tabela, sendo que o índice 65 corresponde a uma capacidade de aguentar 290 quilos e um índice de 124 significa que o pneu aguenta, sozinho, até 1,6 toneladas.

No entanto, é importante ler o último número associado à letra que se segue – esta representa a velocidade máxima que permite que o pneu tenha capacidade de carga determinada. Os códigos possíveis são Q, R, S, T, H, V, ZR, W e Y e cada um corresponde ao equivalente em km/h, de 160 km/h a 300 km/h.

E quando são pneus especiais?

Se andas à procura de um pneu para um todo o terreno ou para ir à neve este inverno para umas merecidas férias a esquiar, então há outros símbolos com os quais vais ter de te preocupar. Por exemplo, se queres enfrentar a lama e a neve, confirma se o pneu exibe o código M+S, M.S ou M&S: o M remete para “mud” (lama) e o S para “snow” (neve).

Mas se, pelo caminho, sabes que encontrarás estradas geladas, então, além de poderes procurar correntes para aplicar nos rodados, poderás querer escolher um pneu que exiba o símbolo alpino: uma montanha de três picos e um floco de neve no seu interior e responde ao código 3PMSF, em vigor desde novembro de 2012, e que só pode ser utilizado por um pneu que tenha um comportamento ótimo em neve.

Artigo relacionado: Pneus recauchutados: bom ou mau negócio?

Para que tenhas a certeza que não estás a levar gato por lebre, observa ainda de onde vem o pneu, qual o seu fabricante e, muito importante, qual a data do seu fabrico, apresentado com o número da semana seguido do ano. Por exemplo: 1519 – se encontrares um pneu com este número, significa que a sua criação ocorreu na semana 15, entre os dias 8 e 15 de abril, de 2019. Atenção: tenta encontrar quatro pneus com pouca diferença “de idade” entre eles e toma atenção a uma data muito antiga, o que poderá remeter para um pneu com problemas.

Há ainda outros códigos a conhecer, mesmo que não façam parte do “bilhete de identidade” do pneu: a etiqueta revela a eficiência energética (Fuel Efficiency), com base na resistência ao rolamento, e a segurança (Safety), com base nas distâncias de travagem em molhado, apresentando estas duas entre o A (muito eficiente e seguro) e o G; e o ruído externo de rolamento (Noise), que vai de uma a três ondas.


Próximas leituras:

Franquia mais alta ou mais baixa? O que deves saber
A franquia é um dos fatores mais importantes na definição do valor …
Quebra isolada de vidros – O teu seguro inclui?
O seguro com cobertura de quebra isolada de vidros não é obrigatório …

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *