Até há bem pouco tempo, era recomendado comprar eletrodomésticos A+++ para ter garantias de eficiência energética. Agora, essa classificação mudou com a chegada da nova etiqueta energética.

Hoje, ajudamos-te a perceber o que é e como funciona a nova etiqueta energética, o que mudou e os eletrodomésticos afetados pela alteração.

Etiqueta energética: o que é e para que serve?

Saber como interpretar a etiqueta energética vai ajudar a poupar mais uns trocos ao final do mês, especialmente se estás prestes a adquirir um eletrodoméstico novo aí para casa.

Esta etiqueta foi desenvolvida para ajudar os consumidores a identificar os equipamentos mais eficientes. Assim, consegues comparar vários eletrodomésticos semelhantes de uma forma muito mais aprofundada, isto é, para além do design e dimensões.

Informações da etiqueta energética

A nova etiqueta energética vai mais além do consumo energético de cada eletrodoméstico.

Fonte: deco.proteste.pt

Consegues ainda verificar outras mais informações importantes e relevantes, nomeadamente:

  • Tipo de produto, modelo e fornecedor – No topo da etiqueta;
  • Classificação energética – Identificado a preto, junto à escala de eficiência energética;
  • Consumos – Abaixo desta escala;
  • Ruído, Capacidade e outras informações – Na base da etiqueta.

O que muda na nova etiqueta energética?

Classificação energética

É ao nível das classes de eficiência energética que ocorrem as grandes mudanças na nova etiqueta energética.

Até fevereiro de 2021, esta classificação era composta por 7 grandes classes, de A a G, do mais eficiente para o menos eficiente respetivamente. Contudo, dentro da classe A a classificação dividia-se ainda em 3 outros grupos: A+, A++ e A+++. Desta escala, os equipamentos A+++ eram os mais eficientes de todos.

Os “+”causavam alguma confusão aos consumidores, dificultando a distinção entre as diferentes classes. Além do mais, a grande maioria dos eletrodomésticos (especialmente os mais recentes) já se encontravam nas 3 primeiras classes mais eficientes, o que tornava esta classificação ultrapassada.

Desta forma, a União Europeia reviu a etiqueta energética, eliminando os “+” e mantendo apenas as classes de A a G, que já são bem compreendidas pelos consumidores. Por exemplo, um frigorífico classificado como A+ na antiga etiqueta energética, passará a estar incluído na classe D na nova etiqueta.

A que equipamentos se aplica esta alteração?

Esta alteração ainda não se aplica a todos os eletrodomésticos. Os primeiros grupos de equipamentos a receberem esta nova etiqueta energética são:

Os novos aparelhos que entrem no mercado podem disponibilizar ambas as versões da etiqueta, uma vez que a antiga ainda tem de estar visível em lojas físicas e online.

Em setembro deste mesmo ano, as lojas passam a ter de exibir a nova etiqueta nas fontes de iluminação.

Está previsto que a nova etiqueta se estenda a outros grupos de equipamentos, como ACs, aspiradores, máquinas de secar ou aquecedores, a partir de 2022.

Novo grafismo

A nova etiqueta apresenta também um novo grafismo. Além da escala de cores da eficiência ser reduzida de 10 para 7 classes, a disposição de informações como o consumo, ruído ou capacidade ganha uma nova imagem.

Consumo energético

A informação sobre o consumo energético também sofre alterações e varia consoante o tipo de eletrodomésticos. No caso dos frigoríficos, é indicado o consumo anual. Nas máquinas de lavar e secar roupa, o consumo é referido por 100 ciclos. Em ecrãs e lâmpadas, é contabilizado por cada 1000 horas de utilização.

QR Code

A introdução do sistema de QR Code nas novas etiquetas energéticas permite que os utilizadores consigam ter acesso direto a toda a informação sobre os produtos. Ao digitalizares o código QR através do teu smartphone, és reencaminhado para uma base de dados, onde podes ver e fazer o download da ficha técnica do aparelho em questão.

Se ainda restam dúvidas sobre a nova etiqueta energética, consulta o folheto informativo do projeto BELT (Boost Energy Label Take Up), financiado pela União Europeia, ao abrigo do programa “Horizonte 2020”. Este projeto apoia a implementação da nova etiqueta energética e promove a adoção de equipamentos mais eficientes a nível europeu.

Em Portugal, é a DECO PROTESTE a organização responsável por garantir que esta implementação é bem-sucedida.

O objetivo é comum: promover a economia circular, a escolha de equipamentos eficientes e um planeta sustentável.


Próximas leituras:

Como fazer churrascos em casa sem fumo
Todos gostamos de fazer churrascos em casa mas ninguém quer a casa …
Como organizar a cozinha: 10 dicas imperdíveis
Estás cansado de arrumar e nunca ter um espaço totalmente funcional? Revelamos-te …

Um comentário a “Tudo o que precisas de saber sobre a nova etiqueta energética”

  1. Victor Samuel Fernandes diz:

    Algo falta explicar. As letras no fundo da etiqueta não as entendo. Devem ser consumos mas é como?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *